• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra

30 de novembro de 2015

Annabel Lee


Inspirado por esta linda adaptação de Julian Peters (confira também esta de Greg Hinkle) do poema Annabel Lee, do imortal mestre Edgar Allan Poe , fiz minha própria tradução:

ANNABEL LEE
de Edgar Allan Poe
Traduzido por Eduardo Capistrano

Foi há muitos e muitos anos,
Em um reino à beira-mar, ali,
Viva uma donzela que você conheceria
Pelo nome de Annabel Lee; -
E esta donzela lá vivia sem nada pensar além
De amar-me e ser amada por mim.

Eu era uma criança e ela era uma criança,
Neste reino à beira-mar, aqui:
Mas nós amamos com um amor que era mais que amor -
Eu e minha Annabel Lee -
Com um amor por que os serafins alados no Céu
Cobiçavam dela e de mim.

E essa foi a razão porque, tempos atrás,
Nesse reino à beira-mar, aqui,
Um vento soprado de uma nuvem, gelando
Minha bela Annabel Lee;
De modo que seus nobres parentes vieram
E levaram-na para longe de mim,
Para trancá-la em um sepulcro,
Neste reino à beira-mar, aqui.

Os anjos, nem à metade tão felizes no Céu,
Seguiram invejando a ela e a mim -
Sim! - Foi esta a razão (como todos os homens sabem,
Neste reino à beira-mar, aqui)
Que o vento veio de uma nuvem à noite,
Gelando e matando minha Annabel Lee.

Mas nosso amor era de longe mais forte que o amor
Daqueles mais velhos que nós, aqui -
De muitos mais sábios que nós, aqui -
E nem os anjos no Céu superior,
Nem os demônios no mar submergidos,
Poderiam algum dia minha alma cortar
Da alma da bela Annabel Lee: -

Pois a lua nunca raia, sem que sonhos me traga
Da bela Annabel Lee;
E as estrelas nunca nascem antes, que eu sinta os olhos brilhantes
Da bela Annabel Lee: -
E então, pela maré da noite toda, ao lado repouso
De minha querida - minha querida - minha vida e minha esposa,
Em seu sepulcro à beira-mar, ali -
Em sua tumba à beira do sonoro mar, ali.

0 comentários:

Comente...