• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra

28 de dezembro de 2011

O Coração Desesperado

 
Resolvido a cruzar o lamaçal tenebroso através da mais sombria das noites, é com orgulho que anuncio o resultado da minha participação na primeira rodada de produção conjunta no blog da Revista Lama.

Meu conto inédito "O Coração Desesperado" vem acompanhado de macabras composições fotográficas do colega Marco Novack, em parceria com Nika Braun, Andréa Tristão e Leonardo Goulart. Os atores são Carolina Fauquemont e Wagner Corrêa. Confiram clicando no título do conto, e não deixem de ler os excelentes trabalhos publicados na Lama!

A Lama teve até o momento duas edições impressas e homenageia as antigas publicações pulp com uma ótima proposta: a interação entre escritores e artistas visuais (ilustradores, fotógrafos e cineastas). O resultado são magníficos pares de texto e arte.

Minha primeira colaboração foi na Lama #2, que publicou meu conto "O Livro de Receitas" com a arte sinistra de Danilo Oliveira. Saiba como adquirir a versão impressa nesta página.

23 de dezembro de 2011

ePub de "A Quarta Dimensão" na Livraria Cultura

 
O livro "A Quarta Dimensão" está disponível para aquisição no formato ePub através da Livraria Cultura. 

Veja mais sobre o formato ePub nesta postagem, e sobre a disponibilidade do ePub através da iBookstore nesta postagem.

Visite a página do livro na Livraria Cultura para adquiri-lo! O mesmo atalho constará da página do livro aqui no blog, com todas as outras versões e formas de aquisição.

7 de dezembro de 2011

Depósito Legal


Para cumprimento da Lei 10.994 de 14 de dezembro de 2004, efetuei recentemente o Depósito Legal de meus dois livros junto à Biblioteca Nacional.

Segundo a Biblioteca Nacional, o Depósito Legal é "a exigência (...) de remessa à Biblioteca Nacional de um exemplar de todas as publicações produzidas em território nacional, por qualquer meio ou processo, objetivando assegurar a coleta, a guarda e a difusão da produção intelectual brasileira, visando à preservação e formação da Coleção Memória Nacional".

Após um contato com a editora, soube que a remessa era de minha responsabilidade. Fui informado pela Divisão de Depósito Legal que para saber se um livro foi depositado basta procurá-lo nos Catálogos. Procurei por meu primeiro livro, esperando o resultado: também não havia sido depositado.

O Depósito Legal é simples: basta enviar uma cópia da publicação para:

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL
Divisão de Depósito Legal
Avenida Rio Branco, 219, 3º andar
Centro - Rio de Janeiro/RJ
CEP 20040-008

Enviei uma impressão dos e-mails trocados com a Divisão e alguns dias após recebi uma confirmação por e-mail do recebimento. A inserção nos Catálogos até a data desta postagem ainda não foi feita, mas creio que é uma questão de tempo até o livro aparecer.

1 de dezembro de 2011

Atualizações: Adolpho, Facebook, Livros

 O blog de meu bisavô Adolpho Werneck já traz seus dois poemetos na íntegra: "Insomnia", de 1921, e "Minha Terra", de 1922. Clique nos títulos para lê-los, e visite a seção Sobre as Obras para ver as capas e, futuramente, informações sobre ambas as publicações.

A pergunta no Facebook continua: qual versão de "A Quarta Dimensão" você prefere: livro, PDF, ePub ou online?

 
A seção de Livros do blog foi reformada, para exibir apenas título, capa, editora, ano de publicação, ISBN e texto de quarta capa.
Clicando sobre a capa ou título leva o visitante a uma página dedicada a cada livro, com Sinopse e formas de leitura e aquisição.
A reforma vem em antecipação ao lançamento da segunda edição de "Histórias Estranhas", que será disponibilizado da mesma forma que "A Quarta Dimensão".

17 de novembro de 2011

Pergunta no Facebook

Clique abaixo para responder a esta pergunta no Facebook:
Mais detalhes sobre as versões do livro nesta página.
Fique à vontade para responder nos comentários desta postagem, também!

26 de outubro de 2011

"A Quarta Dimensão" na iTunes Store


"A Quarta Dimensão" foi convertido para o formato ePub e agora pode ser adquirido através da iTunes Store, além de estar disponível gratuitamente para leitura aqui no blog e na página do livro na Bookess, onde também pode ser adquirido nas versões digital e impressa.

O livro está disponível nas lojas da Alemanha, Canadá, EUA e Reino Unido. Veja o livro no iTunes usando os atalhos abaixo.

A Quarta Dimensão - Eduardo Capistrano A Quarta Dimensão - Eduardo Capistrano
EUA: $6.99 Reino Unido: £4.99
A Quarta Dimensão - Eduardo Capistrano A Quarta Dimensão - Eduardo Capistrano
Alemanha: 5,49 € Canadá: $7.99

Para adquirir o livro das lojas, é necessário um cartão de crédito internacional (com o número de segurança com três algarismos no verso) visto que aparentemente ainda há obstáculos para difusão de obras com direitos autorais na iBookstore brasileira. Se for mesmo o caso, espero que no futuro isso se resolva.

Para encontrar o livro direto do dispositivo, pode ser necessário mudar o país ou região da conta para acessar a loja desejada, da seguinte maneira: acesse Ajustes > Loja > ID Apple > Ver ID Apple > Alterar país ou região. Siga as instruções e forneça as informações necessárias.

Como havia mencionado nesta postagem: o formato ePub (diminutivo de electronic publication, ou publicação eletrônica) é o "padrão-chave" da IDPF (International Digital Publishing Forum, ou Fórum de Publicação Digital Internacional), a organização responsável por seu desenvolvimento. É um formato para documentos eletrônicos, incluindo livros ou eBooks, permitindo que uma obra possa ser lida em dispositivos portáteis diversos, incluindo mobiles que rodem Android (através de aplicativos como o WordPlayer, FBReader e Aldiko), aparelhos da Apple (iPhone, iPad e iPod Touch, principalmente através do aplicativo iBooks) e leitores próprios de eBook como o Sony Digital Reader ou o Nook da Barnes & Noble. Apesar de não abrir o formato nativamente, o Kindle da Amazon pode abrir o formato através de aplicativos como o Calibre.

3 de outubro de 2011

Uma Boa Escolha: A Quarta Dimensão

 
"A Quarta Dimensão" atendeu aos requisitos para ser avaliado com o selo "Boa Escolha" da Bookess.

O selo é concedido aos livros aprovados em quesitos de diagramação, capa e correção ortográfica/gramatical, e aparece na página de leitura do livro

Os livros "Boa Escolha" terão prioridade na divulgação em redes sociais e campanhas publicitárias, e destaque no site da Bookess, inclusive aparecendo em uma "estante" própria na página da editora.
 
Convido a todos para conferir "A Quarta Dimensão": uma Boa Escolha!

28 de setembro de 2011

Uma cara "lendária"

Como podem ver, apliquei um modelo ao blog que lhe dá a cara de um dos "lendários" cadernos Moleskine. Não quero com isso pretender que uso um. Não nego que são profundamente estilosos, mas pessoalmente ainda tento preencher uma Agenda Permanente (acho que da Tilibra; a confirmar) com poesias ruins, arte de associação livre, colagens sortidas e devaneios gratuitos.
Espero que gostem; foi um tanto difícil restaurar a NavBar (lá em cima) e os botões sociais de cada postagem, que não existiam no modelo. 
Apreciarei quaisquer comentários!

13 de setembro de 2011

Quarta capa de "Histórias Estranhas"


Como havia antecipado nesta postagem, pretendo lançar uma 2ª edição de meu primeiro livro, "Histórias Estranhas", pela Bookess, e os trabalhos para tanto estão praticamente concluídos:

- o livro foi submetido a uma revisão para conformação ao Novo Acordo Ortográfico, e a oportunidade serviu para outros tantos aperfeiçoamentos linguísticos, estilísticos e narrativos, mínimos mas relevantes;
- ilustrações de minha própria autoria figuram na primeira página de cada conto; e
- a ideia original da capa, que era uma simples divisão horizontal em preto e branco, com as palavras do título também divididas e com cores invertidas, agora traz também as ilustrações dos contos, como exemplifica a amostra da quarta capa que incluo nesta postagem.

O livro aguarda apenas o ISBN para ser disponibilizado da mesma maneira de "A Quarta Dimensão": gratuitamente aqui no blog ou na página do livro na Bookess por meio de um visualizador, e à venda nas versões digital ou impressa. Ainda a ser confirmada a disponibilização em ePub.

23 de agosto de 2011

Wikipédia e meu bisavô


Infeliz mas previsivelmente, o conteúdo que atualizei na Wikipédia sobre meu bisavô foi desfeito, com exceção da fotografia. Correções no ano de seu nascimento, adição de informações, tudo foi desfeito. Este é o verbete depois de minha atualização, e este é como está atualmente.

Apesar de ser um usuário e admirador da Wikipédia, acho lamentável a versão em português, pela sofrível falta de informações e pela frequente contenda nas atualizações. Não vá pelo que digo. Escolha um verbete qualquer de conhecimento universal, e veja as versões em português e inglês da enciclopédia.

Enfim, isso serviu para eliminar uma dúvida que eu tinha, de publicar ou não a biografia de meu bisavô na Internet. O blog de meu bisavô logo conterá sua biografia, acessada clicando em sua fotografia da barra lateral.

Além disso, fico feliz em informar que hoje postei "Auto-photographia", o último poema de título iniciando com a letra "A", totalizando, com os iniciando por símbolos e numerais, 23 poemas até o presente momento. Estou seguindo a ordem alfabética, então o progresso na postagem pode ser visualizado no Índice Alfabético do blog.

15 de agosto de 2011

Meu primeiro livro


Conforme coloquei na página de projetos, tenho planos de relançar meu primeiro livro, "Histórias Estranhas", pela Bookess. A empresa oferece um formato bastante satisfatório de publicação, com que publiquei "A Quarta Dimensão".

O projeto me permitiu uma releitura dos textos do livro, que a ansiosidade pela publicação, na época, me levaram a relevar várias imperfeições, tanto técnicas como estilísticas. Claro que há também o quase irreprimível impulso de reconstruir o texto a cada releitura os colegas escritores sabem a que me refiro.

Considerei válida, portanto, uma releitura criativa buscando dirimir as imperfeições que mencionei, restaurando alguns pontos, reescrevendo outros, procurando sempre não fazer alteração substancial, não alterar as estórias de maneira que perdessem o sentido original.

Ao mesmo tempo, vi a oportunidade de fazer algo que sempre quis, que era de fazer uma edição ilustrada. Fiz o possível para superar minhas limitações técnicas no quesito, e acredito que encontrei um formato adequado para as ilustrações. São representações estilizadas de elementos-chave dos contos, aludindo quando possível às ideias essenciais, sem trair pontos de clímax ou de revelação, conforme o caso. Todas as ilustrações são em formato circular e em simetria bilateral, e irão constar na nova capa.

Oportunamente divulgarei as ilustrações aqui, assim como outras novidades sobre o relançamento.

28 de julho de 2011

Revista Contexto

[contexto]


Contexto, a revista do Ministério Público do Paraná, traz matérias de interesse social, político e jurídico relevantes para a atuação do órgão, além de explorar as dinâmicas internas da instituição. 

A [contexto] também reservou um espaço para a cultura, através de uma seção na contra-capa intitulada "Eu indico", em que um integrante indica obras de literatura e cinema que tiveram influência sobre sua vida.

Fui convidado para fazer as indicações do segundo número da revista. Apesar dos exemplares impressos terem sido distribuídos apenas internamente, as edições podem ser lidas na íntegra em formato .PDF na página do Ministério Público do Paraná.

Confira!

20 de julho de 2011

Atualizações

Constante (quase diária!) atualização no blog de meu bisavô: http://adolphowerneck.blogspot.com, além de ter atualizado também o verbete na Wikipédia sobre ele, não só as informações como também a fotografia.

Também inseri o botão "Curtir" do Facebook na página, logo ali à direita, abaixo de minha foto e dos botões de redes sociais. Clique nele para incluir a Facebook Page de meu blog em seus interesses, não apenas com o link com nome e descrição, mas também (depois de uma árdua luta com a programação do Open Graphics do Facebook) a imagem correta, contendo meu monograma.

O código que funcionou pode ser encontrado aqui.

11 de julho de 2011

Um estranho encontro...

Após "A Quarta Dimensão", voltei-me para o projeto seguinte, ao qual já vinha me dedicando: uma pesquisa extensa sobre a vida e obra de meu bisavô, Adolpho Jansen Werneck de Capistrano. O objetivo era a princípio um livro contendo o máximo que pudesse recolher de sua obra, constasse de publicação própria ou de periódico.

Qual não foi minha surpresa ao me deparar com ele próprio, meu bisavô, aguardando-me quando chegava em casa à noite. Posso dizer que minha reação foi bastante... entusiasmada, mesmo não tendo-o reconhecido de imediato. Ele próprio admitiu que estar morto desde 1932 não fez muito bem para sua aparência, e pediu desculpas pela impossibilidade de apresentar-se com chapéu, bengala e bigode.

Atenuada a emoção (sobrepujante, diga-se de passagem) do encontro, passamos às devidas apresentações, em seguida cabendo a mim não apenas informar-lhe do andamento de minhas pesquisas, como também esclarecer alguns pontos sobre as mudanças do mundo nos últimos 80 anos. Ele pareceu bastante empolgado em rever seus escritos e dispôs-se a colocá-los ao alcance do público em geral, da mesma maneira como, em sua época, publicava nos jornais da capital paranaense e cercanias, contando com meu auxílio para lidar com as novas ferramentas que nossos tempos oferecem.

Convido-os a visitar
onde serão disponibilizados os textos de meu bisavô na ortografia (ou seria orthographia?) original, e futuramente, uma compilação adaptada.

30 de junho de 2011

Notícias do Tempo e da Lama


"A Quarta Dimensão" está entre as obras selecionadas pela Bookess para conversão ao formato ePub e futura disponibilização pela Livraria Cultura. Os selecionados e outros detalhes estão nesta postagem do blog da editora.

O formato ePub (diminutivo de electronic publication, ou publicação eletrônica) é o "padrão-chave" da IDPF (International Digital Publishing Forum, ou Fórum de Publicação Digital Internacional), a organização responsável por seu desenvolvimento. É um formato para documentos eletrônicos, incluindo livros ou eBooks, permitindo que uma obra possa ser lida em dispositivos portáteis diversos, incluindo mobiles que rodem Android (através de aplicativos como o WordPlayer, FBReader e Aldiko), aparelhos da Apple (iPhone, iPad e iPod Touch, principalmente através do aplicativo iBooks) e leitores próprios de eBook como o Sony Digital Reader ou o Nook da Barnes & Noble. Apesar de não abrir o formato nativamente, o Kindle da Amazon pode abrir o formato através de aplicativos como o Calibre.

Ou seja, "A Quarta Dimensão", além das versões gratuita, digital e impressa, estará disponível também como eBook para leitura em seu dispositivo preferido!




No dia 15 de junho foi lançada a segunda edição da Revista Lama, uma publicação genial que paga tributo temático às antigas revistas pulp. Apenas temático: porque o termo pulp origina-se no papel de polpa de baixa qualidade em que aquelas revistas eram impressas, e a Revista Lama impressiona não apenas por reunir excelentes desenhistas e artistas gráficos a uma verdadeira profusão de talentos literários, mas também pela produção, da editoração até a impressão, em alta qualidade visual. É obra em que se percebe o amor de seus criadores, particularmente do editor Fabiano "Fabz" Vianna. Seu trabalho de qualidade pode ser conferido nos Contos da Polpa.

A segunda edição contém um conto meu, "O Livro de Receitas", até então inédito. A revista pareia contos e ilustrações, e a de meu texto é de responsabilidade de Danilo Oliveira. Só posso me dizer honrado por meu texto estar lado a lado com arte tão impressionante!

Veja onde adquirir seu exemplar!

21 de junho de 2011

Pós-lançamento

 
Agradeço a todos que puderam comparecer ontem ao lançamento de "A Quarta Dimensão". 

Espero que gostem de minhas estórias! Por favor, me enviem quaisquer comentários e opiniões.

Álbuns com as fotos do lançamento estão disponíveis no Facebook e no Orkut.

O livro está disponível gratuitamente aqui no blog e na página do livro da Bookess, onde também pode ser adquirido nas versões digital (R$1,99) e impressa (R$32,26 com frete incluso).

Aqueles interessados em adquirir exemplares autografados do livro por R$25, entrem em contato comigo através do e-mail ed.capistrano@gmail.com.

6 de junho de 2011

Lançamento do livro

 
Convido todos para o lançamento de meu livro "A Quarta Dimensão", que ocorrerá no dia 20 de junho de 2011, a partir das 19 horas, no Kauf Café do Shopping Estação.

No evento serão vendidos exemplares do livro por R$25,00, mas o número é limitado! Se quiser garantir o seu, entre em contato através do e-mail ed.capistrano@gmail.com.

Lembrando que o livro está disponível gratuitamente para leitura online aqui no blog, ou para compra em versões digital e impressa na página do livro na Bookess.

Abraços a todos e até lá!

10 de maio de 2011

Livro disponível


Com grande satisfação, anuncio a disponibilização de meu segundo livro, "A Quarta Dimensão", através da Bookess.

O livro está disponível em três formatos, todas acessíveis pela página do livro na Bookess:
- Versão gratuita em um visualizador online, também disponível aqui mesmo no blog, na página de Livros;
- Versão digital, custando o valor mínimo de R$1,99; e
- Versão impressa, custando (com frete grátis para todo o Brasil) R$32,26.

Devido ao sistema de aquisição e envio direto ao comprador, obtive um número limitado de cópias, destinado a doações para bibliotecas e para venda no evento de lançamento -- que divulgarei oportunamente -- então aqueles interessados em cópias autografadas favor entrar em contato através do e-mail ed.capistrano@gmail.com para que eu possa fazer reservas.

3 de maio de 2011

A capa

Este blog proporcionou à história da capa do livro "A Quarta Dimensão" alguns momentos adicionais inesperados, como espero detalhar a seguir.

Depois de buscar imagens relacionadas ao tema do livro e encontrar a bela imagem de fdecomite, procurei contato com ele, mas encontrei apenas o messenger interno do Flickr e a conta dele do YouTube, se não me engano. Mandei mensagens mas não houve resposta. Não utilizaria a imagem sem contato com o usuário, então me resignei a arriscar e utilizar uma das imagens anteriores.

Minha namorada Maria Fernanda, que é fotógrafa e Photoshopper, não se resignou tão facilmente. Uma busca específica no Google Images resultou em várias fotos semelhantes, e ela disse que devia haver um filtro ou plugin para fazer o efeito espiralado. Junto à foto de fdecomite, ele informava que utilizara o Gimp com o plugin MathMap, aplicando o que é chamado de Efeito Droste.

Experimentei com o programa até entender como funcionava, e logo parti em busca de uma imagem de um relógio para fazer meu próprio túnel do tempo. Após vários candidatos, encontrei o Lote 329 do leilão Important Collector's Wristwatches, Pocket Watches, Clocks and Horological Tools realizado em 9 e 10 de maio de 2009 pela leiloeira especializada Antiquorum. Da descrição do Lote:
Excepcional Ratrapante de 1928 com Único Mostrador Luminoso, para Tiffany Patek Philippe & Co, Genève, comercializado por Tiffany & Co, Nova Iorque. Feito em 1928, vendido em 23 de setembro de 1938. Extremamente fino e único devido a seu mostrador luminoso, importante e muito adiantado, relógio de pulso de ouro amarelo 18K com cronógrafo ratrapante de um botão, registro de 30 minutos vertical e segundos constantes, mostrador luminoso, terminais de pulseira móveis.

Vendido incluindo prêmio do comprador: 606,000 SFr. / 550,909 USD
O belo tom dourado e envelhecido do relógio me conquistou. Após alguns experimentos com as variáveis do MathMap, defini uma série de variações da imagem espiralada. Com o mesmo plugin encontrei uma forma de "desenrolar" a face circular do relógio, tornando-o uma barra vertical numerada. Usando as duas imagens com o modelo de capa que mencionei na postagem passada, cheguei à capa final:


Avancemos no tempo. Fiquei orgulhoso com o resultado, mas nas tentativas de contato com editoras, contemplei a possibilidade de ver essa ideia descartada. Tendo decidido editar o livro com a Bookess, a forma de criação de capa me causou sentimentos ambivalentes, pois, apesar de permitir que o próprio autor definisse a capa, o programa de criação dava limite máximo para os gráficos em 2 MB, e não imprimia orelhas. O limite, contudo, era para cada área do gráfico (última orelha, contra-capa, lombada, capa e primeira orelha), então mexi no tamanho do arquivo até ter a melhor resolução possível para um arquivo de 2MB. As informações biográficas da última orelha precisaram ser transpostas para a última página do livro.

Mas o resultado final ficou ótimo. A capa é fosca e a encadernação é muito boa:


Curiosamente, na publicação da útlima postagem, fdecomite apareceu comentando e, apesar de um pouco tarde, permitiu o uso da imagem que me inspirou originalmente. Agradeço aqui a ele (?) não só pela autorização, que não precisarei, mas pela inspiração e pela informação a respeito do MathMap.

Aguardem a divulgação do evento de lançamento do livro, que coincidirá com a disponibilização do livro para leitura online e venda.

26 de abril de 2011

Hstória da Capa

Uma das críticas feitas ao meu livro anterior foi com relação à capa, que foi uma ideia minha sobre a qual trabalhou a editora. Apesar de uma alteração essencial me incomodar (já que "Histórias" e "Estranhas" tinham intencionalmente o mesmo número de letras, imaginava as palavras uma sobre a outra, letra por letra, invertidas em preto e branco), havia me agradado o resultado final.

Elevei os padrões para "A Quarta Dimensão", procurando entender, até onde pude, o que tornava uma capa de livro atraente. Uma vez que formei uma ideia preliminar de como fazer a capa, imediatamente comecei a imaginar como ela seria.

O impulso foi certamente precipitado. Ora, todos os passos que descreverei a seguir foram tomados ANTES sequer de eu começar este blog. A prova é que os gráficos de fundo de página e título do blog original eram baseados na capa pronta.

Precipitado porque não tinha, a princípio, qualquer garantia de que ela seria usada. Muitas editoras incluem a criação da capa em seus serviços, sequer permitindo ao autor esta etapa. Assim, tive que aos poucos aceitar o fato de que o livro poderia ser publicado sem a capa que defini.

Mas para mim foi irresistível. Para mim, imaginar o livro publicado exigia imaginar a capa, para ter algo mais em mente que não fossem meras folhas de papel com pontinhos pretos.

O primeiro passo para criar minha própria capa foi saber como. Os verdadeiros capistas e designers irão me ostracizar pelo que direi, mas não sou um profissional. Orgulhoso e prolífico "improvisador" com programas, criei um molde de capa no próprio Word, que disponibilizo aqui. A capa envolve o livro, então começa pela área da orelha da contra-capa, que reservei para uma mini-biografia com foto. Segue a contra-capa, que dediquei a um texto que apresenta o livro. A lombada vem em seguida, com o texto correndo de baixo para cima. A capa vem em seguida, com o gráfico concluindo com a orelha da capa, que dediquei a um fragmento de um dos contos, para servir de amostra do conteúdo.

O truque é simples, utilizar as ferramentas de desenho (principalmente caixas de texto e WordArt) e imagens flutuantes dentro das áreas que delimitam as áreas das orelhas, capa, contra-capa e lombada. Excessos que ultrapassem as margens podem ser então cobertos com retângulos preeenchidos de branco, para o resultado final ser convertido em documento .PDF, que depois pode ser convertido em imagem (por exemplo, com o Gimp). Eu avisei que era improvisado.

O passo seguinte foi encontrar uma imagem. A capa que imaginei seria título e autor sobre uma grande imagem de fundo, evocativa do tema do livro. Procurei no Google Imagens por palavras-chave diversas, separando imagens interessantes e criando capas a partir delas.

Procurando por faces de relógio, encontrei esta aproximação da face do relógio astronômico de Strasburgo, que indica cada um dos dias do ano:


Procurando por um relógio cuco, encontrei esta imagem:


E acabei encontrando também o bizarro Cuckoo Clock de Michael Sans:


Eventualmente, esbarrei no que definiria a capa final. A palavra-chave "tempo" produziu todo tipo de resultado evocativo, mas me atraiu a atenção uma foto intitulada "Tunnels of Time", do Flickr do usuário fdecomite:


O efeito me conquistou. Não pude determinar os direitos de uso sobre a foto do relógio cuco, mas não poderia usar as demais sem licença. Procurei contato com fdecomite sobre a utilização da foto dele, mas não obtive resposta.
Procurei então aprender como ele foi feito. Mas isso fica para a próxima postagem, quando tratarei da capa final!

[Editado em 27/04/2011] Como os comentários exigiram que eu mencionasse, a capa final não é nenhuma dessas. Nunca iria utilizar nenhuma das imagens em uma publicação sem permissão. Elas figuram aqui apenas para ilustrar o processo de definição da capa, sem, evidentemente, qualquer outro objetivo. Ainda assim, se os detentores dos direitos desejarem, basta me comunicarem e eu as removerei imediatamente.
A capa final, de novo, não é nenhuma dessas, e a detalharei na próxima postagem.

16 de abril de 2011

Minha escolha de publicação

Como mencionei no começo deste blog, minha primeira experiência de publicação, de meu livro "Histórias Estranhas", foi utilizando uma editora sob demanda, no caso a Câmara Brasileira de Jovens Escritores.

Naquela ocasião meus esforços foram certamente rudimentares, visto ser o primeiro contato com o mundo das publicações. Após o êxtase de ver o livro publicado, veio a desmotivadora série de críticas e confrontos a diversos aspectos do livro. "Por que não prestou atenção nisso ou naquilo?", "Como deixou o livro sair assim?" Evidente que eu também podia perguntar, onde estavam os críticos quando eu estava fazendo o livro?

Um dos motivos mesmo de eu fazer este blog foi documentar os vários esforços e tentativas, de modo que ninguém possa dizer, dentre outros, "você não revisou o livro", "você não fez a ficha catalográfica", "você nem tentou mandar pra uma editora". E, principalmente, "você não tem um blog nem participa de redes sociais".

Não tendo acesso às grandes editoras, relembro os problemas principais de publicar com uma editora sob demanda: a relação investimento/estoque/preço final e a falta de distribuição e divulgação. Pensava a respeito quando voltei à minha intenção original. Ora, o que eu queria era que minhas estórias fossem lidas, não obter lucro com elas.

Desejava disponibilizá-las em formato livro realmente por uma preferência pessoal, de vê-las na roupagem de estórias, nas páginas, envoltas por uma capa que tinha em mente desde que comecei a imaginar o livro. Queria ganhar dinheiro com ele? Não. Queria que fosse lido? Com certeza.

Quando reunia nomes para minha lista de editoras, busquei mais informações sobre os serviços de autopublicação, e pareceu-me exatamente o que eu queria. Estes serviços permitem a disponibilização do livro online, para baixar em formato digital, e impresso, para os da "velha guarda". Diversas opiniões apontavam como principal fator desmotivador o alto custo unitário, que se somado a qualquer lucro para o autor poderia impedir a venda.

O custo do livro é alto por não haver investimento por parte do autor, e com os livros sendo impressos para atender os pedidos, não há estoque. Os serviços inclusive enviam o livro a quem o comprou.

Analisando os serviços disponíveis, elegi a Bookess, por vários fatores mas principalmente por sua proposta se aproximar bastante da oferecida pela consagrada Lulu, mas sendo baseada no Brasil e oferecer frete grátis do livro para território nacional.

Concluí que a proposta era ideal para minha intenção. Disponibilizarei o livro através da Bookess, em três formatos:

- lido gratuitamente com o visualizador em Flash da Bookess, tanto aqui no blog quanto lá na página da editora;
- baixado em arquivo .PDF;
- adquirido em versão impressa.

Os custos da versão digital e versão impressa serão sem qualquer lucro para mim, visando reduzi-los ao máximo e permitir que mais pessoas possam adquiri-lo. Apesar do custo da versão impressa ainda ser um tanto alto, com o livro de graça e a versão digital bastante barata, o livro impresso só realmente precisa ser adquirido por quem fizer questão de ter o livro -- ou por quem, como eu, não aguenta ler nenhum texto longo em tela de computador.

Mas vale a pena... eu estou longe de ser imparcial, mas tenho que dizer que o livro ficou bonito!

Observem que não aguardava resposta da Nobel, já vinha estudando os serviços e especificamente o da Bookess desde então. O que fiz até o momento que ainda não havia divulgado:

- diagramei o livro por conta própria, formatando folhas iniciais, páginas de texto, títulos para os contos, cabeçalhos e rodapés;
- adaptei a capa que já tinha definido para os padrões permitidos pelo programa de criar capas da Bookess;
- adquiri um exemplar de meu próprio livro antes de disponibilizá-lo na Bookess, para ver a qualidade da publicação.

Nos próximos dias vou falar da capa, anunciar oficialmente a disponibilização do livro na Bookess, e programar uma festa, porque, se forem ver, meu plano de publicá-lo em um ano deu certo: a primeira postagem deste blog foi em 24 de maio de 2010.

11 de abril de 2011

Resposta da Nobel

O túmulo de Alfred Nobel (1833-1896)
O resultado do envio dos originais de "A Quarta Dimensão" para a Editora Nobel foi o seguinte.

Em 1º de Abril, recebi uma mensagem contendo o seguinte:
Prezado Sr. Eduardo,
Segue em arquivo anexo, proposta de edição para o livro "Os Segredos de Adestramento do Dono".
Cordialmente,
Ary Kuflik Benclowicz
Diretor/Editor
A princípio pensei tratar-se de um livro-modelo com o título acima para eu ter uma ideia do que eles propunham, mas foi um erro mesmo. A mensagem trazia em anexo dois arquivos, uma proposta -- contendo o título correto de meu livro -- e um questionário.
Em vez de transcrever a proposta, tratarei de resumi-la. A Nobel propôs a publicação de 2.000 exemplares, sendo que eu como autor adquiriria 1.000 exemplares por R$24 cada, para um montante (sim, suas contas estão certas) de R$24.000. Pagáveis em 4 prestações de R$6.000, em diferentes estágios da publicação.

Os 1.000 exemplares da Nobel seriam distribuídos e divulgados nacionalmente com toda a estrutura da editora, e da venda deles, com preço estipulado pelo autor, seriam pagos 10% ao autor. Os 1.000 exemplares do autor não poderiam ser vendidos de qualquer forma a prejudicar a venda dos exemplares da editora.

A aquisição de 1.000 exemplares é requerida apenas para a primeira edição. Para as seguintes, o autor teria apenas seus 10% a receber.

Proposta semelhante é oferecida pela Novo Século, em que o investimento requerido do autor é bastante grande, em troca de uma (esperada) grande estrutura de distribuição, divulgação e venda.

O custo para mim parecia exorbitante, mas provocado pela promessa de distribuição e divulgação a nível nacional, em 5 de abril tentei:
Olá, estou respondendo à proposta da editora Nobel para edição de meu livro "A Quarta Dimensão".
O valor requerido, de R$24.000,00, referente à compra de 1000 exemplares por R$24,00 cada, é para mim proibitivo, pois não conto com patrocinador e, portanto, dependo de recursos próprios.
Há a possibilidade de redução do custo se eu dispensar os 10% de direitos autorais? Há alguma outra forma de reduzir os custos?
Agradeço antecipadamente a atenção.
Que foi respondido, em 8 de abril, com:
Prezado Sr. Eduardo,
Agradecemos por seu retorno a nossa proposta. Lamentamos, mas esta é a única opção que dispomos para viabilizar o seu projeto.
Cordialmente,
Ary Kuflik Benclowicz
Ora, apesar da proposta impeditiva, este contato foi muito mais satisfatório do que o que tive com a Rocco. A editora não me deu falsas expectativas, não fiquei esperando resposta, mas ela veio. Apesar de algum deslize, o trato foi bastante adequado e objetivo. Só pude concluir desse jeito, em data de hoje:
Agradeço a todos da Nobel pela oportunidade, mas pelo custo ser proibitivo em face dos recursos disponíveis, não posso aceitar.
Obrigado pela atenção e resposta.

5 de abril de 2011

Interlúdios, intermitências, iminências


- O blog já passou da postagem de número 100 (esta é a 102ª), viva!;
- Ainda aguardando o resultado de uma tentativa de publicação, (que meu Twitter pode ter entregado antes do tempo), o único elemento que falta antes de publicá-la aqui;
- Recebi notícias informais sobre uma publicação com a qual colaborarei, que também aguardo sair para divulgar e discutir;
- Chegou resposta da Editora Nobel, que pensei em publicar, mas não sem antes tentar resolver plenamente;
- Intensifiquei as pesquisas para a antologia poética de meu bisavô, virando (mais uma vez) frequentador assíduo da Documentação Paranaense na Biblioteca Pública do Paraná, toda terça e quinta;
- Planos para uma página dedicada a uma brincadeira de contar estórias chamada "Xerazade".

28 de março de 2011

Fazendo uma Ficha Catalográfica

A Lei do Livro -- Lei nº. 10.753/2003 -- instituiu no seu art. 6º que "na editoração do livro, é obrigatória a adoção do Número Internacional Padronizado, bem como a ficha de catalogação para publicação" e, que "o número referido no caput deste artigo constará da quarta capa do livro impresso".

O Número Internacional Padronizado é melhor conhecido pelo termo em inglês, ISBN ou International Standard Book Number, gerenciado pela Agência Brasileira de ISBN, vinculada à Fundação Biblioteca Nacional, do Rio de Janeiro.

A ficha de catalogação para publicação, ou Ficha Catalográfica, tem suas origens nas fichas de papel dos catálogos de consulta de acervo de bibliotecas. As fichas eram criadas em cópias para serem colocadas nos livros e nos catálogos em gavetas. Havia tantas fichas quanto houvesse catálogos de busca: por título, por autor, por assunto. Convenções de padronização determinaram regras diversas, tal como qual entrada deve ser a primária ou como referir-se às informações da obra na ficha.

A Biblioteconomia é a área responsável por esse tipo de informação. No Brasil, a entidade mais frequentemente associada à catalogação é a Câmara Brasileira do Livro, que (justificadamente) cobra pelo serviço. Contudo, é possível para o próprio autor criar a Ficha. Não pretendo aqui ensinar como fazer Fichas Catalográficas de maneira exaustiva, mas sim reunir informações encontradas na Internet voltadas à elaboração de uma ficha para um livro de contos de um autor, que foi o meu caso. Tentarei aprimorar este pequeno guia se houverem dúvidas ou pedidos de esclarecimento.

A Ficha Catalográfica tem o seguinte aspecto:


A Ficha tem tamanho padrão de 7,5 cm de altura por 12,5 cm de largura. A linha cinza NÃO CONSTA da ficha, é apenas um indicativo da margem que deve existir para todo o conteúdo da ficha à direita da notação de autor.
    
    Notação de autor. Composta pela inicial do sobrenome do autor em maiúscula, seguida do número da Tabela de Cutter-Sanborn correspondente ao sobrenome do autor (o número anterior, se não houver coincidência), seguida da inicial do título em minúscula.
Atalhos para um gerador de número Cutter-Sanborn, uma tabela, e para o Dewey Cutter Program, um aplicativo para gerar o número.
    O nome do autor é grafado SEM RECUO, com sobrenome antes do nome, seguindo as regras para referências bibliográficas, apenas com as iniciais em maiúsculas, e separados por vírgula. Depois de outra vírgula, grafam-se os anos de nascimento e falecimento do autor separados por hífen. Se for autor vivo, consta apenas o ano de nascimento seguido de hífen.
    Recuo. Todas as linhas abaixo do nome do autor devem iniciar abaixo da 4ª letra do sobrenome. Usando uma fonte monoespaçada, isso equivale a dar três espaços antes das linhas.
    Folhas ou páginas. Cada folha tem duas páginas (frente e verso). Já é comum encontrar a indicação de páginas, que coincide com a numeração interna da obra.
    ISBN. Pode ser requerido pelo próprio autor após cadastro na Agência Brasileira de ISBN como Editor Pessoa Física, mas a maioria das editoras oferece o serviço mediante taxa.
    Título. Deve ficar a palavra “Título”, não deve ser substituída. Isto indica que o ponto de acesso primário é pelo título da obra.
    CDD e CDU. Números obtidos conforme a Classificação Decimal Dewey e a Classificação Decimal Universal.
    Para o CDD, utilize a classificação da Biblioteca Nacional, o dewey.info ou consulte os sumários na página da OCLC. O CDD é repetido nos Índices para Catálogo Sistemático, abaixo da Ficha, sem o “B” se houver.
    Para o CDU, utilize os sumários na página da UDCC, este livro ou guias como esteeste, este ou estas postagens.
 
Um livro de contos brasileiros fica com o assunto "1. Contos brasileiros. I. Título.", CDD B869.35 e CDU 821.134.3(81)-3.

18 de março de 2011

Rápida Lista de Editoras do Brasil

Impressio Librorum, Stradanus (1523-1605)
Pretendo fazer aqui uma classificação simples dos tipos de editoras e uma lista de companhias que se encaixam em cada tipo. Saliento que a classificação leva mais em conta o perfil geral do que métodos de impressão, a despeito de eu discuti-los em cada categoria.

- Editoras offset, mainstream, comerciais. Na impressão offset a tinta era originalmente transferida de uma placa previamente preparada para uma superfície de borracha, e desta para o papel. O método substituiu a prensa tipográfica como padrão industrial pela maior qualidade e eficiência. A produção pode imprimir no papel em folhas ou em rolos. O processo evoluiu operacionalmente mas o princípio permanece o mesmo, denunciando a sua principal desvantagem, um custo alto para a preparação, que torna a impressão viável apenas em grandes tiragens. O custo unitário em tiragens pequenas demais é proibitivo.
Assim, o desenvolvimento de uma plataforma de ampla divulgação e distribuição não apenas atendia às vendagens, mas também influía consideravelmente nos custos de produção, visto que o aumento da demanda permite o aumento da tiragem e consequente redução do custo unitário.
A difusão do processo digital, contudo, permitiu que a grande maioria das companhias se concentrasse em autores de renome, periódicos, ou em publicações didáticas ou técnico-científicas.
Nessa categoria se incluem a Nobel e a Rocco, duas que ainda aceitam originais de novos autores. Outros exemplos: 34, Abril, Ática, Atlas, Companhia das Letras, Ediouro, Escala, Europa, FTD, Globo, L&PM, Martins Fontes, Moderna, Nova Cultural, Objetiva, Record, Saraiva, Sextante, Scipione, Três.

- Editoras digitais, sob demanda, coparticipativas. A impressão digital envolve imprimir direto de uma impressora. Não há necessidade de preparação de placas. O custo unitário em grandes tiragens é muito grande se comparado ao tradicional offset, mas é o mesmo em pequenas tiragens, o que permite publicações de centenas, dezenas e até mesmo de uma só cópia de um livro. A difusão do processo permitiu às grandes editoras deixarem o segmento para um crescente mercado de pequenas editoras. A informalidade ainda permeia o segmento, com um perfil mais de serviço prestado a um cliente que deseja algo impresso. É exatamente isso que acontece: o autor entra com o capital e a empresa com os serviços, que podem incluir registros, criação de capa, ilustração, revisão, diagramação, e divulgação/venda na página da empresa ou em livrarias associadas. Algumas oferecem outro formato, em que o valor de venda do livro é dividido entre produção, empresa e autor. Ainda é perceptível que as pequenas editoras esgotam sua participação na produção do livro, não o acompanhando expressivamente na divulgação e distribuição.
Nessa categoria estão a 7Letras (RJ), Aberta (RJ), Alcance (RS), All Print (SP), Arm@zém Digital (RS), Balão Editorial, Baraúna (SP), Biografia (SP), Café&Lápis (MA), Casa do Novo Autor (SP), CBJE (RJ), Contexto (SP), Editar (MG), Epígrafe (RJ), Ética (MA), Ficções (SP), Flaneur (RJ), Gass (SP), HonorisCausa (PR), Ixtlan (SP), Juruá (PR), Litteris (RJ), Livre Expressão (RJ), LivroPronto (SP), Multifoco (RJ), Mutuus, Nelpa (SP), Novo Século (SP), Patuá (SP), PoloPrinter (SP), Schoba (SP), Scortecci (SP), Tarja, tmaisoito Editorama (SP), Usina de Letras (RJ), Virgília.

- Autopublicação, netbook. Serviços de autopublicação oferecem a hospedagem e disponibilização de um livro em formato digital e/ou impresso, conforme especificações do autor. O termo autopublicação refere-se à principal característica deste método, que é o de que a produção do livro é de total responsabilidade do autor, ainda que algumas companhias ofereçam serviços de editoração. A forma como isso é feito varia, mas geralmente é possível baixar o livro em formato PDF ou adquirir a versão impressa. Uma tendência interessante são os visualizadores ou leitores, programas que exibem o livro digital em tela como um livro físico, para ser lido de uma maneira mais tradicional, virando as páginas, ou para servir de uma previsão da versão impressa. Não há custo algum para o autor, sendo que a venda das versões digitais ou impressas paga produção, empresa e autor. Contudo, os custos de impressão são altos, sendo que uma expectativa de lucro real pode ser frustrada.
Os custos ainda mais altos no Brasil acabaram tornando viável que páginas estrangeiras fossem utilizadas por custo semelhante, ou seja, o custo de produção é inferior o suficiente para compensar o frete mais caro.
Incluo nessa categoria Agbook, Bookess, Clube de Autores, Liro, PerSe, e os estrangeiros Blurb, Bubok, CreateSpace, Issuu, Lulu e Tikatok.

15 de fevereiro de 2011

Férias



Como o Pateta, estou de férias! Só espero que não terminem como as dele...

Retornando de férias no fim de março, terei algumas novidades:

  • a lista de editoras para novos autores, que acabei fazendo para uso próprio mas que acho que pode ajudar outros como eu;
  • um guia para fazer a sua própria Ficha Catalográfica; e
  • a minha opção de publicação para o livro, junto com as motivações para escolhê-la.
Até lá!

8 de fevereiro de 2011

Google homenageia Jules Verne

Para o 183º aniversário de Jules Verne (nascido em 8 de fevereiro de 1828), o Google fez hoje um de seus doodles comemorativos, interativo, inspirado por uma de suas obras mais célebres, "Vinte Mil Léguas Submarinas". Visite a página principal para vê-lo, ou se tiver perdido de ver no dia 08/02/2011, visite o arquivo de doodles.

Explicando curiosidades de 2011

Recebi este e-mail hoje:
QUEM EXPLICA ISSO? QUEM SOUBER EXPLICAR ME DIGA...
ESTE ANO VAMOS EXPERIMENTAR QUATRO DATAS INCOMUNS .... 1/1/11, 1/11/11, 11/1/11, 11/11/11 E TEM MAIS!!!
PEGUE OS ÚLTIMOS 2 DÍGITOS DO ANO EM QUE VOCÊ NASCEU MAIS A IDADE QUE VOCÊ VAI TER ESTE ANO E A SUA SOMA SERÁ IGUAL A 111 PARA TODOS!
ALGUEM EXPLICA O QUE É ISSO...???...
Primeiro as datas curiosas. Uma coincidência de números iguais para dia, mês e ano é algo semelhante a outra curiosidade de que já tratei, o Dia Sequencial (p. ex., 08/09/10) e é o que apelidei de Dia Repetido (p. ex., 10/10/10) até alguém dar sugestão melhor. É um caso mais extremo de Dia Repetido, pois todos os dígitos são iguais. O cálculo das recorrências, como fiz nas outras postagens, é fácil, pois o limitador é o dígito correspondente ao mês. 

Considerados todos os dígitos, a repetição não pode ocorrer em outubro (10) e dezembro (12), e obriga a um lapso de tempo de 11 anos até a virada do século, quando então é necessário somar 1 (2099+11=2110+1=2111). Assim, ocorrerão novamente em 2 e 22/2/2022, 3/3/2033, 4/4/2044...

Agora a soma de 111. Não há nenhuma aberração no fato. Equivale a encontrar o ano de nascimento deduzindo sua idade de 2011. Se minha idade no ano de 2011 (31) for deduzida dele, encontro o ano de meu nascimento, que é 1980. Acontece apenas de nesse ano a soma ter dígitos repetidos, pelo ano ter dígitos repetidos. Ano passado dava 110, ano que vem dará 112.

3 de fevereiro de 2011

Resposta da Rocco

Antes tarde do que nunca? O que me dizem? A história toda está nas seguintes postagens:
- 24/08/2010, "Registro recebido";
- 31/08/2010, "Original enviado";
- 12/12/2010, atualizado em 15/12/2010, "Esperando a Rocco".

Com o Aviso de Recebimento tendo sido datado pela Rocco em 30/08/2010, o prazo de 60 dias que estipulava para a avaliação dos originais terminava em 30/10/2010. Recebi essa resposta hoje:
from    Editorial - Editora Rocco
to    ed.capistrano@gmail.com
date    Wed, Feb 2, 2011 at 5:14 PM
subject    A QUARTA DIMENSÃO

Prezado Senhor,
Concluída a avaliação do original em referência, informamos que sua publicação não foi indicada, ainda que apresente evidentes qualidades.
Agradecemos a remessa desse material e informamos que, respeitando as normas da Editora Rocco para avaliação de originais, o mesmo foi inutilizado.
Agradecemos a escolha da Rocco como editora potencial para sua obra . Gostaríamos de esclarecer que a recusa dessa publicação não inviabiliza o interesse em próximas obras de sua autoria.

Atenciosamente,


Departamento Editorial,
Setor de Avaliação de Originais
Editora Rocco
Certamente o interesse inviabilizado é o meu de enviar próximas obras para a Rocco.

"Você deve saber como aceitar a rejeição e como rejeitar a aceitação."
- Ray Bradbury (1920-)

"Continue enviando trabalhos, nunca deixe um manuscrito fazendo nada além de comer a própria cabeça numa gaveta. Envie esse trabalho de novo e de novo, enquanto trabalha em outro. Se você tem talento, vai receber alguma quantidade de sucesso -- mas apenas se persistir."
- Isaac Asimov (1920-1992)

1 de fevereiro de 2011

Novidades

As presentes alterações na aparência do blogue refletem também mudanças na sua proposta. O enfoque será sempre sobre o projeto em que esteja trabalhando -- atualmente o livro "A Quarta Dimensão", de contos sobre o Tempo, sobre o qual faço um Diário de Publicação em que venho documentando desde a entrega da versão definitiva para revisão até sua eventual publicação em qualquer formato.

O símbolo que passa a figurar em minha página é um logograma que criei por ligadura tipográfica das letras "E" e "Ç", representando as iniciais do meu nome, que passo a utilizar em associação aos meus textos. Refiro-me a ele (em recordação do ΕΣΤΗΣΕ de Samuel Taylor Coleridge) como "ecésse".

24 de janeiro de 2011

A Vida em um Dia


Life in a Day é um projeto dos diretores Ridley Scott (Alien, Blade Runner, Gladiador) e Kevin Macdonald (O Rei da Escócia) contando com canção original da britânica Ellie Goulding, idealizada pela notória página de vídeos YouTube e patrocinado pela LG. A ideia era incentivar os usuários da página a filmarem as próprias vidas no dia 24 de julho de 2010, para criar "um documentário sobre um único dia na Terra".

O resultado foram mais de 80.000 videoclipes, com mais de 4.500 horas de vídeo, que foram editados em um filme de 90 minutos que "traz uma visão honesta e inspiradora do nosso mundo".

O filme será transmitido ao vivo no Festival de Cinema de Sundance 2011, no próximo dia 27 de janeiro de 2011, às 22h, e retransmitido no dia seguinte.

20 de janeiro de 2011

Original enviado (2)

Procurando o próximo passo para publicar o livro, estava fazendo uma lista de editoras sob demanda e esbarrei em outra editora comercial que aceita originais, a Editora Nobel. Depois de pesquisar sobre a linha editorial dos selos da editora (Nobel, Marco Zero, Studio Nobel, Conex e Zastras) e determinar que livros como o meu já foram publicados, resolvi enviar os originais para avaliação.

 A Editora Nobel tem uma página dedicada aos novos autores, em que traz uma lista dos itens a serem atendidos:

1. Enviar uma cópia impressa e uma em arquivo digital (CD ou disquete) da versão definitiva do texto.
2. Enviar resumo da obra (máximo de duas laudas).
3. Apresentar breve defesa para justificar a publicação de seu trabalho (máximo de duas laudas).
4. Os autores deverão apresentar um currículo resumido (máximo de uma lauda) com endereço para correspondência e telefone para contato.
5. Caso haja necessidade, o autor deverá encaminhar quaisquer outros materiais (livros, fotos, cromos etc.) que compõem o trabalho.

Ontem, dia 19/01/2011, concluí os passos e remeti os itens com Aviso de Recebimento. Diferente da tentativa anterior -- e mais apropriadamente, já me parece -- a Editora não dá prazo nem gera muita expectativa de resposta, apenas dizendo que "o original sofrerá avaliação minuciosa e à comissão editorial caberá a decisão final de publicação", fornecendo um endereço de e-mail para eventuais dúvidas sobre o procedimento. Aguardo uma resposta, enquanto prosseguirei fazendo a pesquisa de editoras sob demanda, para uma lista que postarei futuramente.

13 de janeiro de 2011

Jacek Yerka sobre o Tempo

O pintor polonês Jacek Yerka (1952-) é o criador de maravilhosos panoramas surrealistas, que podem ser conferidos em uma extensa galeria na sua página, a Yerkaland. Dentre elas há algumas peças e uma série de curiosos desenhos em preto e branco inspirados no Tempo, que exibo abaixo.

"Avenida do Tempo"
"Quebrador do Tempo"
"O Tempo Questionou"
"Relógio a Vapor com Moedeiro" - compare com este desenho
"Ensinando a Andar" - compare com este desenho

"Cronossauro"
"Comedor de Relógios"
"Despertador Voador"
"Último Alarme"
"Lá vem o Despertador"
"Afinador de Tempo"