• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra
  • Escravos dos Sentidos

16 de março de 2019

Escravos dos Sentidos no Clube de Autores

https://www.clubedeautores.com.br/livro/escravos-dos-sentidos#.XI2K6yJKjcs

A 2ª edição de meu livro Escravos dos Sentidos agora está disponível no Clube de Autores!

Saiba mais sobre o livro na página dele aqui no blog.

8 de março de 2019

Interligações de Vênus


Dois ciclos de assuntos interligados com um ponto de partida em comum: Vênus.

1) O segundo planeta do sistema solar chama-se Vênus, que aparece no céu como o corpo mais brilhante depois do Sol e da Lua. O “Almagesto”, escrito por Cláudio Ptolemeu (100-170), estabeleceu um modelo astronômico hegemônico por 13 séculos, e fez chegar aos nossos tempos a prática de dar nomes de deuses aos planetas, que já vinha desde os babilônicos. Vênus era a deusa romana do amor, beleza e fertilidade.

2) Por causa de sua órbita, Vênus torna-se mais visível no céu em duas ocasiões, logo após o Sol se pôr, e logo antes dele nascer. Vários povos antigos acreditavam que eram duas estrelas diferentes: A Estrela da Manhã, ou Estrela D’Alva, e a Estrela da Tarde.

ESTRELA D’ALVA:

3) A Estrela da Manhã ou Estrela D’Alva em latim era chamada de Lúcifer, (de lucem, luz, e ferre, carregar, trazer ou portar), e personificada na mitologia romana como um homem portando uma tocha. A interpretação errônea desta palavra na Bíblia (como em Isaías 14:12) levou à sua associação com Satã ou o Diabo.

4) Lúcifer, como boa parte da mitologia romana, era um legado dos gregos, que o chamavam de Fósforo (de phos, luz, e phoros, carregar, trazer ou portar). Outro nome era Heósforo (de heos, aurora). 

5) Em 1669, o alquimista alemão Hennig Brand, experimentando com a evaporação da urina e a destilação dos sais resultantes, obteve um material branco que emitia um brilho tênue ao ser exposto ao oxigênio. Foi chamado de phosphorus mirabilis, “maravilhoso trazedor de luz”. O elemento descoberto manteve o nome de fósforo.

6) O fósforo, apesar de ter número atômico 15, foi o 13º elemento a ser descoberto. O número de mal agouro, além do fato do elemento ser empregado para criar fogo, explosivos, venenos e agentes nervosos, fez com que ganhasse o apelido de “Elemento do Diabo”, o que de certo modo já fecha um miniciclo com o item 3. Apesar disso, o principal uso do fósforo é em fertilizantes para a agricultura. A demanda anual é imensa, e aumenta quase duas vezes mais que a população humana.

7) Fertilizantes são materiais aplicados ao solo ou usados como substrato, para prover nutrientes essenciais ao crescimento de plantas. O nome fertilizante vem de tornar fértil, conceder fertilidade

8) A fertilidade do solo propicia o crescimento das plantas, e nesse sentido a figura da mitologia greco-romana que a regeria seria Deméter/Ceres. A fertilidade de pensamento e criatividade, por sua vez, seria governada por Atena/Minerva. A fertilidade sexual, a fecundidade, por sua vez, é domínio de Afrodite para os gregos, chamada pelos romanos de Vênus.

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) -> Fertilizantes -> Fertilidade -> Vênus (deusa romana) -> Vênus (planeta)

ESTRELA DA TARDE:

3) A Estrela da Tarde era chamada de Héspero pelos gregos (hesperos significando “ocidental”), e também personificado. Os romanos a chamavam de Vésper (latim para “tarde”).

4) No livro “Casino Royale” de Ian Fleming, Capítulo 8, “Luzes Rosas e Champanhe”, James Bond descobre o nome da mulher que seria, depois, uma das duas únicas mulheres a quem propôs casamento:
“Uma pequena garrafa de vodka, bem gelada”, pediu Bond. Ele disse a ela abruptamente: “Não posso beber à saúde de sua nova vestimenta sem saber seu nome cristão”.
“Vesper”, disse ela. “Vesper Lynd”.
Bond lançou sobre ela um olhar inquisitivo.
“É um tanto chato sempre ter que explicar, mas eu nasci em uma tarde, uma tarde muito tempestuosa de acordo com meus pais. Aparentemente eles queriam lembrá-la.” Ela sorriu. “Algumas pessoas gostam dele, outras não. Já estou acostumada.”
“Acho que é um bom nome”, disse Bond. Uma ideia o atingiu. “Posso emprestá-lo?” Ele explicou sobre o martini especial que havia inventado e a busca por um nome para ele. “O Vesper”, disse ele. “Soa perfeito e é muito apropriado para a hora violeta em que meu coquetel será agora bebido ao redor do mundo. Posso ficar com ele?”
A propósito, segundo o próprio Bond, um martini Vesper é um martini seco, em uma taça funda de champanhe, com três medidas de Gordon’s, uma de vodka, meia de Kina Lillet, chacoalhado muito bem até estar bem gelado, e então adiciona-se uma grande e fina fatia de casca de limão.

5) “Casino Royale” foi o primeiro livro de James Bond, e o filme homônimo de 2006 inaugurou a nova fase cinematográfica com Daniel Craig no papel de Bond e Eva Green como Vesper Lynd. A fase anterior havia sido inaugurada, contudo, por “O Satânico Dr. No” de 1962, com Sean Connery como Bond, e Ursula Andress como Honey Ryder. A fase acabou não tendo uma versão própria de Casino Royale.

Os direitos da adaptação do livro, contudo, acabaram com Charles K. Feldman, que resolveu fazer uma versão satírica, não associada com a franquia principal. Em 1967, em que seria lançado “Só se Vive Duas Vezes” com Sean Connery, foi lançado “Casino Royale”, com David Niven como James Bond (o verdadeiro...), e Ursula Andress – a mesma de Dr. No – como Vesper Lynd.

6) Ursula Andress alçou ao estrelato graças ao papel de Honey Ryder; apareceu depois em “O Seresteiro de Acapulco” (1963) com Elvis Presley, “4 Heróis do Texas” (1963) com Frank Sinatra e Dean Martin; “Ela” (1965), com Christopher Lee e Peter Cushing; “Que é que Há, Gatinha?” (1965) de Woody Allen com Peter Sellers e Peter O’Toole; e “A Décima Vítima” (1965) com Marcello Mastroianni. Em 1981, foi lançado “Furia de Titãs”, dirigido por Desmond Davis. A história acompanha Perseu (Harry Hamlin) enfrentando perigos como a Medusa e o Kraken para salvar Andrômeda (Judi Bowker), entregue aos caprichos dos deuses gregos que observam, chefiados por Zeus (Laurence Olivier). Ursula Andress está entre os Olimpianos interpretando Afrodite, a deusa grega do amor, beleza e fertilidade.

7) Para encerrar este ciclo, basta lembrar que Afrodite era chamada de Vênus pelos romanos.

Vênus (planeta) -> Vésper (Estrela da Tarde romana) -> Vesper Lynd -> Ursula Andress -> Fúria de Titãs -> Afrodite -> Vênus (deusa romana) -> Vênus (planeta)

BÔNUS:

Já que quase encontrei mais um ciclo, vou mencioná-lo. Começamos com o primeiro ciclo até "fósforo":

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) ->

6) Os fósforos, palitos riscados para acender fogo levam o nome do elemento porque a cabeça do palito originalmente inventado em 1830 por Charles Sauria continha fósforo branco. Por ser venenoso para quem os fabricava, o uso de fósforo branco foi banido pela Convenção de Berna de 1906.

7) Fósforos revolucionaram uma época que dependia da luz de velas e lampiões. Antes deles os mais práticos métodos para acender fogos eram pederneiras ou isqueiros de sílex, pistões de fogo ou lentes, sem contar o uso de brasas ou fogos já existentes. Foi apenas com a invenção da luz elétrica e sua difusão que as velas deixaram de estar entre as principais fontes de luz pelo mundo.

8) A hora em que as velas eram acesas, em latim, chamava-se lucernaria hora ou lucernalis. As chamas sempre foram foco de admiração e fascínio para a humanidade, e em épocas primitivas, de adoração. Mesmo depois de dominar as chamas, o respeito reverencial ao fogo continuou, incorporado à religião. Na mitologia greco-romana, por exemplo, havia Héstia/Vesta, deusa da chama doméstica. 

9) Na religião judaico-cristã, o fogo persistiu nas velas, e os ritos praticados na hora de acendê-las tornou-se um dos mais antigos Ofícios, junto com a Vigília. Posteriormente se consolidaria a Liturgia das Horas para o Ofício Divino, com Horas Canônicas correspondendo a partes do dia, que eram usados para marcar o tempo. A hora canônica correspondendo à lucernaria hora era chamada de Vésperas

10) O nome das Vésperas vem do nome latino para a tarde, Vésper, que nos permite terminar com o segundo ciclo. No fim fica assim:

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) -> fósforos -> velas -> Lucernalis -> Vésperas -> Vésper (Estrela da Tarde romana) -> Vênus (planeta)

22 de janeiro de 2019

Babelcube


Coloquei meus livros no Babelcube. A plataforma propicia que autores ofereçam suas obras para tradutores, acompanha a colaboração entre autor e tradutor, e coloca os livros traduzidos à venda.

Se você tem interesse em traduzir meus livros, me encontre lá! Meu perfil pode ser visto em https://www.babelcube.com/user/eduardo-capistrano