• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra
  • Escravos dos Sentidos

7 de outubro de 2019

Um Sonho em um Sonho Inserido

https://en.wikipedia.org/wiki/Sleep_and_his_Half-brother_Death
Sonho e seu meio-irmão Morte, John William Waterhouse, (1874)
UM SONHO EM UM SONHO INSERIDO
de Edgar Allan Poe (1809-1849)
Traduzido por Eduardo Capistrano
(preservando a estrutura de rima)

Texto original de A DREAM WITHIN A DREAM obtido em The Edgar Allan Poe Society of Baltimore.


Sobre a fronte este beijo venha a tomar!
E, de você agora a me separar,
Este tanto permita-me confessar —
Não está errado, quem está convencido
Que meus dias um sonho têm sido;
Ainda que a esperança tenha embora voado
Em uma noite, ou em um dia passado,
Em uma visão, ou em nenhuma vivida,
É ela portanto menos perdida?
Tudo o que vemos ou que temos transparecido
É apenas um sonho em um sonho inserido.

Em meio ao rugido fico em pé
De uma costa atormentada pela maré,
E seguro em minha mão apertada
Grãos da areia dourada —
Quão poucas! mas como vão penetrando
Pelos meus dedos para o fundo derramando
E eu chorando — eu chorando!
Ó Deus! Não posso manter
Eles e mais apertado os conter?
Ó Deus! Não posso eu salvar
Um da onda impiedosa a quebrar?
É tudo o que vemos ou que temos transparecido
Apenas um sonho em um sonho inserido?

17 de setembro de 2019

La Cuarta Dimensión



Está disponível "La Cuarta Dimensión", tradução para espanhol do meu segundo livro, "A Quarta Dimensão"!

Já está nas seguintes livrarias:

Fiz uma página do livro em espanhol, que pode ser acessada pela página do livro.

O livro foi publicado através da plataforma Babelcube.

4 de setembro de 2019

Interligações de Diana

Diana como Personificação da Noite (c.1765). Anton Raphael Mengs.
1) Diana era a deusa romana da caça, dos locais e animais selvagens, da Lua, e tanto da castidade como do parto. Como as demais figuras da mitologia romana, na mitologia grega Diana tinha um equivalente sincrético, Ártemis.

Artemisia se Prepara para Beber as Cinzas de seu Marido, Mausolo (c.1630). Francesco Furini.

2) Artemísia II de Cária, com nome dedicada à deusa (que quer dizer "de Ártemis"), foi irmã e depois esposa e sucessora de Mausolo, rei de Cária. O falecimento de Mausolo gerou nela uma mágoa única e bizarra, pela qual ela ficaria conhecida na história. É dito que ela misturava as cinzas do irmão/marido em sua bebida todos os dias, e geralmente ela é representada em pinturas de forma associada a essa prática. Ela também ordenou a construção de um sepulcro majestoso em honra ao irmão/esposo, o Mausoléu de Halicarnasso, lembrado como uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Artemisia absinthium

3) Artemísia II de Cária era uma botanista, interessada nas qualidades medicinais das plantas. De acordo com Plínio, em sua História Natural, "mulheres também buscaram a glória de nomear plantas, como a erva que ganhou o nome de Artemísia, esposa de Mausolo, que antes era chamada parthenis" (Plínio, História Natural, XXV.36). Hoje Artemisia é um gênero da família Asteraceae, o mesmo das margaridas.

4) A este gênero pertence a planta de nome científico Artemisia absinthium, popularmente conhecida como losna, sintro, erva-santa ou absinto. Originária da Europa e Ásia, tem folhas que são verde-acinzentadas em cima e esbranquiçadas por baixo. A planta tem gosto amargo. É usada como vermífugo, contra dispepsia, como estimulador de apetite, e para várias doenças infecciosas.

https://en.wikipedia.org/wiki/Absinthe#Preparation

Além de já ter sido usada no lugar do lúpulo para fazer cerveja, e para dar sabor a outras bebidass como o vermute, a planta dá nome à bebida de que é o principal ingrediente, o absinto. Originária da Suíça, feita primariamente com absinto, anis (erva-doce) e funcho, a bebida tem tradicionalmente cor verde e por isso foi apelidada de la fée verte (a fada verde). Ela é engarrafada com alto teor alcoólico, para ser diluída com água antes de ser consumida. A diluição tradicional é feita com o uso de uma colher de absinto -- perfurada -- sobre a boca da taça; um torrão ou cubo de açúcar é colocado sobre a colher e a água é despejada sobre o açúcar. O absinto foi extremamente popular na virada do século XIX para o XX, principalmente entre os artistas.

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Apocalypse_-_BL_Add_MS_35166_f013r_-_Third_trumpet.jpg

5) A Bíblia, em Apocalipse, 8:10-11, traz: "E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas." A planta absinto é mencionada sete vezes no Antigo Testamento e uma no Novo Testamento, todas as vezes com referência ao seu amargor.

6) Wormwood (2017) é uma minissérie da Netflix dirigida por Errol Morris. É um docudrama baseada na história real de Frank Olson, um cientista especialista em armas biológicas empregado da CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA) que supostamente cometeu suicídio em 1953. Porém, Olson na verdade foi uma das cobaias involuntárias do Projeto MKUltra, um programa ilegal da CIA que experimentava com técnicas e métodos para influenciar mentes. O nome do documentário faz uma relação de armas biológicas com a passagem bíblica, "Wormwood" sendo o nome em inglês da planta absinto.

7) O Projeto MKUltra, uma resposta às supostas práticas dos soviéticos, chineses e norte-coreanos no campo do controle mental, pretendia explorar todas as formas de influenciar a mente. Foram feitos experimentos com hipnose, estímulos sonoros, eletrochoque e implantes cerebrais, mas as drogas receberam grande atenção. Dentre experimentos com todo tipo de droga, ganhou destaque o LSD, que depois viria a dominar vários dos programas do Projeto.


8) O LSD, ou dietilamida do ácido lisérgico, foi sintetizado em 1938 pelo sueco Albert Hofmann. Foi deixado cinco anos de lado, até que em 16 de abril de 1943, ao trabalhar novamente com a substância, Hofmann acidentalmente tocou nela com a ponta dos dedos e sentiu seus poderosos efeitos. Três dias depois, ele ingeriu intencionalmente 250 mcg de LSD, mas só sentiu os efeitos quando estava indo de bicicleta para casa. Por isso, o dia 19 de abril de 1943 é conhecido como o "Dia da Bicicleta": a primeira "viagem" intencional com LSD.

Cevada com cravagem. Foto de Dominique Jacquin.
9) Como seu nome diz, o LSD deriva do ácido lisérgico. Por sua vez, este ácido também tem nome que explica sua origem, pois veio da lise de alcalóides do ergot. Os fungos ergot pertencem ao gênero Claviceps, com o mais difundido sendo o Claviceps purpurea, um parasita do centeio e outros cereais. Tem o nome popular de cravagem, esporão-do-centeio, grão-de-corvo, cornizó, cornelho ou dente-de-cão. O consumo de cereais com cravagem causa o ergotismo, também conhecido como ergotoxicose ou Fogo de Santo Antônio.

10) Apesar da triste doença que o fungo causa, por séculos o extrato de cravagens foi usado por parteiras e médicos para acelerar o parto. A mais antiga menção é de 1582, com o médico alemão Adam Lonicer recomendando "três esclerócios de cravagem para acelerar as contrações do parto prolongado". Em 1836, o Dispensatory of the United States (EUA) recomendava 15 a 20 grãos de esclerócio para induzir contrações uterinas, e em 1839 o Codex Pharmacopée Française (França) impunha que todas as farmácias deveriam manter cravagens em seus estoques.

11) Retornamos ao ponto de partida, se lembrarmos que Diana/Ártemis era, dentre outros atributos, a deusa do parto.

Diana/Ártemis - Artemisia II de Cária - Artemisia - Absinto (planta) - Apocalipse - Wormwood - MKUltra - LSD - Ergot - Parto - Diana/Ártemis

23 de julho de 2019

Strange Stories


Está disponível "Strange Stories", tradução para inglês do meu primeiro livro, "Histórias Estranhas"!

Já está nas seguintes livrarias:

- Amazon (Kindle e Paperback)
- Apple Books
- Barnes and Noble
- Kobo
- Scribd

Fiz uma página do livro em inglês, que pode ser acessada pela página do livro.

O livro foi publicado através da plataforma Babelcube.

16 de março de 2019

Escravos dos Sentidos no Clube de Autores

https://www.clubedeautores.com.br/livro/escravos-dos-sentidos#.XI2K6yJKjcs

A 2ª edição de meu livro Escravos dos Sentidos agora está disponível no Clube de Autores!

Saiba mais sobre o livro na página dele aqui no blog.

8 de março de 2019

Interligações de Vênus


Dois ciclos de assuntos interligados com um ponto de partida em comum: Vênus.

1) O segundo planeta do sistema solar chama-se Vênus, que aparece no céu como o corpo mais brilhante depois do Sol e da Lua. O “Almagesto”, escrito por Cláudio Ptolemeu (100-170), estabeleceu um modelo astronômico hegemônico por 13 séculos, e fez chegar aos nossos tempos a prática de dar nomes de deuses aos planetas, que já vinha desde os babilônicos. Vênus era a deusa romana do amor, beleza e fertilidade.

2) Por causa de sua órbita, Vênus torna-se mais visível no céu em duas ocasiões, logo após o Sol se pôr, e logo antes dele nascer. Vários povos antigos acreditavam que eram duas estrelas diferentes: A Estrela da Manhã, ou Estrela D’Alva, e a Estrela da Tarde.

ESTRELA D’ALVA:

3) A Estrela da Manhã ou Estrela D’Alva em latim era chamada de Lúcifer, (de lucem, luz, e ferre, carregar, trazer ou portar), e personificada na mitologia romana como um homem portando uma tocha. A interpretação errônea desta palavra na Bíblia (como em Isaías 14:12) levou à sua associação com Satã ou o Diabo.

4) Lúcifer, como boa parte da mitologia romana, era um legado dos gregos, que o chamavam de Fósforo (de phos, luz, e phoros, carregar, trazer ou portar). Outro nome era Heósforo (de heos, aurora). 

5) Em 1669, o alquimista alemão Hennig Brand, experimentando com a evaporação da urina e a destilação dos sais resultantes, obteve um material branco que emitia um brilho tênue ao ser exposto ao oxigênio. Foi chamado de phosphorus mirabilis, “maravilhoso trazedor de luz”. O elemento descoberto manteve o nome de fósforo.

6) O fósforo, apesar de ter número atômico 15, foi o 13º elemento a ser descoberto. O número de mal agouro, além do fato do elemento ser empregado para criar fogo, explosivos, venenos e agentes nervosos, fez com que ganhasse o apelido de “Elemento do Diabo”, o que de certo modo já fecha um miniciclo com o item 3. Apesar disso, o principal uso do fósforo é em fertilizantes para a agricultura. A demanda anual é imensa, e aumenta quase duas vezes mais que a população humana.

7) Fertilizantes são materiais aplicados ao solo ou usados como substrato, para prover nutrientes essenciais ao crescimento de plantas. O nome fertilizante vem de tornar fértil, conceder fertilidade

8) A fertilidade do solo propicia o crescimento das plantas, e nesse sentido a figura da mitologia greco-romana que a regeria seria Deméter/Ceres. A fertilidade de pensamento e criatividade, por sua vez, seria governada por Atena/Minerva. A fertilidade sexual, a fecundidade, por sua vez, é domínio de Afrodite para os gregos, chamada pelos romanos de Vênus.

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) -> Fertilizantes -> Fertilidade -> Vênus (deusa romana) -> Vênus (planeta)

ESTRELA DA TARDE:

3) A Estrela da Tarde era chamada de Héspero pelos gregos (hesperos significando “ocidental”), e também personificado. Os romanos a chamavam de Vésper (latim para “tarde”).

4) No livro “Casino Royale” de Ian Fleming, Capítulo 8, “Luzes Rosas e Champanhe”, James Bond descobre o nome da mulher que seria, depois, uma das duas únicas mulheres a quem propôs casamento:
“Uma pequena garrafa de vodka, bem gelada”, pediu Bond. Ele disse a ela abruptamente: “Não posso beber à saúde de sua nova vestimenta sem saber seu nome cristão”.
“Vesper”, disse ela. “Vesper Lynd”.
Bond lançou sobre ela um olhar inquisitivo.
“É um tanto chato sempre ter que explicar, mas eu nasci em uma tarde, uma tarde muito tempestuosa de acordo com meus pais. Aparentemente eles queriam lembrá-la.” Ela sorriu. “Algumas pessoas gostam dele, outras não. Já estou acostumada.”
“Acho que é um bom nome”, disse Bond. Uma ideia o atingiu. “Posso emprestá-lo?” Ele explicou sobre o martini especial que havia inventado e a busca por um nome para ele. “O Vesper”, disse ele. “Soa perfeito e é muito apropriado para a hora violeta em que meu coquetel será agora bebido ao redor do mundo. Posso ficar com ele?”
A propósito, segundo o próprio Bond, um martini Vesper é um martini seco, em uma taça funda de champanhe, com três medidas de Gordon’s, uma de vodka, meia de Kina Lillet, chacoalhado muito bem até estar bem gelado, e então adiciona-se uma grande e fina fatia de casca de limão.

5) “Casino Royale” foi o primeiro livro de James Bond, e o filme homônimo de 2006 inaugurou a nova fase cinematográfica com Daniel Craig no papel de Bond e Eva Green como Vesper Lynd. A fase anterior havia sido inaugurada, contudo, por “O Satânico Dr. No” de 1962, com Sean Connery como Bond, e Ursula Andress como Honey Ryder. A fase acabou não tendo uma versão própria de Casino Royale.

Os direitos da adaptação do livro, contudo, acabaram com Charles K. Feldman, que resolveu fazer uma versão satírica, não associada com a franquia principal. Em 1967, em que seria lançado “Só se Vive Duas Vezes” com Sean Connery, foi lançado “Casino Royale”, com David Niven como James Bond (o verdadeiro...), e Ursula Andress – a mesma de Dr. No – como Vesper Lynd.

6) Ursula Andress alçou ao estrelato graças ao papel de Honey Ryder; apareceu depois em “O Seresteiro de Acapulco” (1963) com Elvis Presley, “4 Heróis do Texas” (1963) com Frank Sinatra e Dean Martin; “Ela” (1965), com Christopher Lee e Peter Cushing; “Que é que Há, Gatinha?” (1965) de Woody Allen com Peter Sellers e Peter O’Toole; e “A Décima Vítima” (1965) com Marcello Mastroianni. Em 1981, foi lançado “Furia de Titãs”, dirigido por Desmond Davis. A história acompanha Perseu (Harry Hamlin) enfrentando perigos como a Medusa e o Kraken para salvar Andrômeda (Judi Bowker), entregue aos caprichos dos deuses gregos que observam, chefiados por Zeus (Laurence Olivier). Ursula Andress está entre os Olimpianos interpretando Afrodite, a deusa grega do amor, beleza e fertilidade.

7) Para encerrar este ciclo, basta lembrar que Afrodite era chamada de Vênus pelos romanos.

Vênus (planeta) -> Vésper (Estrela da Tarde romana) -> Vesper Lynd -> Ursula Andress -> Fúria de Titãs -> Afrodite -> Vênus (deusa romana) -> Vênus (planeta)

BÔNUS:

Já que quase encontrei mais um ciclo, vou mencioná-lo. Começamos com o primeiro ciclo até "fósforo":

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) ->

6) Os fósforos, palitos riscados para acender fogo levam o nome do elemento porque a cabeça do palito originalmente inventado em 1830 por Charles Sauria continha fósforo branco. Por ser venenoso para quem os fabricava, o uso de fósforo branco foi banido pela Convenção de Berna de 1906.

7) Fósforos revolucionaram uma época que dependia da luz de velas e lampiões. Antes deles os mais práticos métodos para acender fogos eram pederneiras ou isqueiros de sílex, pistões de fogo ou lentes, sem contar o uso de brasas ou fogos já existentes. Foi apenas com a invenção da luz elétrica e sua difusão que as velas deixaram de estar entre as principais fontes de luz pelo mundo.

8) A hora em que as velas eram acesas, em latim, chamava-se lucernaria hora ou lucernalis. As chamas sempre foram foco de admiração e fascínio para a humanidade, e em épocas primitivas, de adoração. Mesmo depois de dominar as chamas, o respeito reverencial ao fogo continuou, incorporado à religião. Na mitologia greco-romana, por exemplo, havia Héstia/Vesta, deusa da chama doméstica. 

9) Na religião judaico-cristã, o fogo persistiu nas velas, e os ritos praticados na hora de acendê-las tornou-se um dos mais antigos Ofícios, junto com a Vigília. Posteriormente se consolidaria a Liturgia das Horas para o Ofício Divino, com Horas Canônicas correspondendo a partes do dia, que eram usados para marcar o tempo. A hora canônica correspondendo à lucernaria hora era chamada de Vésperas

10) O nome das Vésperas vem do nome latino para a tarde, Vésper, que nos permite terminar com o segundo ciclo. No fim fica assim:

Vênus (planeta) -> Lúcifer (Estrela D´Alva romana) -> Fósforo (Estrela D´Alva grega) -> Fósforo (Elemento químico) -> fósforos -> velas -> Lucernalis -> Vésperas -> Vésper (Estrela da Tarde romana) -> Vênus (planeta)

22 de janeiro de 2019

Babelcube


Coloquei meus livros no Babelcube. A plataforma propicia que autores ofereçam suas obras para tradutores, acompanha a colaboração entre autor e tradutor, e coloca os livros traduzidos à venda.

Se você tem interesse em traduzir meus livros, me encontre lá! Meu perfil pode ser visto em https://www.babelcube.com/user/eduardo-capistrano