• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra

28 de maio de 2010

O Relógio do Apocalipse

 
Criado em 1947 e mantido desde então por cientistas do Bulletin of the Atomic Scientists da Universidade de Chicago, incluindo Stephen Hawking e outros 18 agraciados com o Prêmio Nobel, o Relógio do Apocalipse simboliza quão perto o mundo está de uma guerra nuclear capaz de devastá-lo por completo, marcando quantos minutos faltam para a meia-noite.

Na sua criação, nos primórdios da Guerra Fria, o relógio marcava 7 minutos para a meia-noite. Desde então, têm sofrido ajustes conforme a situação nuclear ao redor do mundo melhora ou piora. O critério para as mudanças não é exato, ficando a cargo dos cientistas responsáveis, e imagino que fatores políticos sejam determinantes - como no caso da crise dos mísseis de Cuba em 1962, que não afetou uma fase de melhoras nas marcações do relógio.

 
O momento mais próximo do Apocalipse ocorreu em 1953: 2 minutos para a meia-noite. Os Estados Unidos persistiram no desenvolvimento da bomba de hidrogênio, e 1º de novembro de 1952, testaram seu primeiro dispositivo termonuclear, chamado de "Salsicha". O dispositivo utilizava a chamada configuração Teller-Ulam e tinha carga de 10.4 megatons (comparativamente, a "Fat Man" lançada sobre Nagasaki tinha carga de 21 quilotons). No teste com codinome "Ivy Mike", a "Salsicha" foi lançada sobre o Atol de Enewetak, nas Ilhas Marshall, destruindo completamente a Ilha Elugelab e deixando uma cratera que pode ser vista até hoje.
Baseado no teste feito pelos Estados Unidos, a União Soviética deixou de lado sua configuração "Truba" e concentrou-se na configuração "Sloika", realizando em 12 de agosto de 1953 o teste que os americanos apelidaram de "Joe 4", uma bomba de 400 quilotons, lançada no sítio de testes Semipalatinsk, adjacente à cidade de Kurchatov, no Cazaquistão.

O momento mais distante do Apocalipse ocorreu em 1991: 17 minutos para a meia-noite. O Muro de Berlim havia caído em 1989, marcando o colapso generalizado da União Soviética. O então presidente dos EUA Ronald Reagan, em uma manobra que muitos apontavam como sendo de estabelecer vantagem, reiterou uma proposta de redução armamentista que já vinha apresentando desde 1982. Desta vez a proposta era recebida pelo Secretário-Geral Mikhail Gorbachev, que lidava com a crise soviética através de reformas malfadadas, além da ameaça militar crescente dos EUA. Em 31 de julho de 1991, ambos assinaram o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Strategic Arms Reduction Treaty ou START-I), que só veio ter efeito mais tarde devido à dissolução da União Soviética no fim do ano, e apenas sobre 4 das nações independentes remanescentes: Rússia, Bielorrúsia, Cazaquistão e Ucrânia. Na conformação política, surgiram várias medidas unilaterais que atenuaram ainda mais a ameaça nuclear.

A última alteração do relógio ocorreu em janeiro de 2010: 6 minutos para a meia-noite. Após o START-I, II e III, negociações foram iniciadas para o "New START", que por si só já influenciaram o relógio. A assinatura ocorreu em 8 de abril de 2010. O Bulletin menciona também que Barack Obama é o primeiro presidente dos Estados Unidos a manifestar-se favoravelmente a um mundo livre de armas nucleares, e que a Conferência de Copenhague, de dezembro de 2009, indica uma conjuntura internacional dirigida à redução dos problemas ambientais, especialmente no impacto climático.

Desde sua criação, o relógio apareceu em todas as capas do Bulletin, e consta na abertura de sua página na Internet.

O Relógio do Apocalipse é um símbolo poderoso para o fim do mundo, e tanto da inconsequência das ações do homem como de sua volúvel relação com a ciência, aqui representado pelo perfeito exemplo da energia nuclear. Perfeito pois reúne a embasbacante capacidade do ser humano de dominar a natureza, e o também embasbacante impulso de utilizar tal domínio para a destruição.

Faltam 6 minutos para a meia-noite.


0 comentários:

Comente...