• Histórias Estranhas
  • A Quarta Dimensão
  • Adolpho Werneck - Vida e Obra
  • Arquivos de Guerra

23 de agosto de 2010

O Teatro do Tempo de J. B. Priestley

O inglês John Boynton Priestley (1894-1984) foi romancista, ensaísta, dramaturgo e radialista. Sua prolífica carreira desenvolveu-se ao longo de 60 anos, com vários destaques. Ele é ocasionalmente chamado de o último "sábio" da literatura da Inglaterra -- a sociedade dedicada à sua memória o chama de "O Último Grande Homem das Letras Inglesas". Ainda assim estaria quase totalmente esquecido, não fosse pelo trabalho de sociedades de fãs e do sucesso de sua peça "An Inspector Calls" no National Theatre de Londres desde 1992, dirigida por Stephen Daldry (dos filmes Billy Elliot, As Horas e O Leitor), que ressuscitou o interesse pela sua obra, rendendo republicações e adaptações recentes.

Começou a escrever à noite, na época em que trabalhava para uma indústria de lã, entre 1910 e 1914. Ele serviu na Primeira Guerra Mundial e foi ferido em 1916 por um morteiro. Seu primeiro grande sucesso foi o premiado romance The Good Companions (1929), que permitiu estabelecer sua carreira literária. Em 1932 ele iniciou suas empreitadas dramáticas com a primeira das peças que ficaram conhecidas como suas "Peças do Tempo", de que tratarei depois. Em 1940/41, durante a Segunda Guerra Mundial, Priestley apresentava o Postscript, programa de rádio da BBC veiculado nas noites de domingo, muitas vezes com audiências superadas apenas pelas transmissões de Winston Churchill.

A obra de Priestley era reconhecidamente temperada com elementos socialistas, a ponto de seu nome constar da lista de pessoas que George Orwell não considerava aptas para ajudar o Departamento de Pesquisa de Informação contra a propaganda comunista da Rússia. Mesmo assim, após aquelas épocas conturbadas sua capacidade de tratar de temas científicos e metafísicos em sua obra foram louvadas, a ponto de lhe oferecerem o título de cavaleiro, que ele recusou.

Suas chamadas "Peças do Tempo" são chamadas assim por cada uma empregar uma teoria diferente sobre o Tempo em sua narrativa. Fazendo jus a seu apelido de "sábio", Priestley desenvolveu seu interesse pelo tema em um ensaio intitulado "Homem e Tempo" (Man and Time, 1964), em que discorre sobre diversas teorias que analisou e outras próprias, incluindo um estudo sobre sonhos precognitivos. Faço um resumo das peças a seguir (mais em The British Theatre Guide).
  • Curva Perigosa (Dangerous Corner, 1932). O título vem da ideia de que contar toda a verdade sobre algo é como fazer uma curva derrapando. Freda e Robert Caplan são os ricos anfitriões de uma festa. Quando uma caixa de música traz à tona o suicídio do irmão de Freda, supostamente depois de 500 libras de sua firma terem sumido, inicia-se uma série de ataques e confrontos que geram revelações e expõem os podres de todos os presentes, culminando em tragédia. Então a peça volta no tempo e continua com a caixinha de música sendo deixada de lado, evidenciando as consequências na simples escolha de comentar ou não um assunto delicado.
  • Tempo e os Conways (Time and the Conways, 1937). Os três atos da peça ilustram as teorias do irlandês John William Dunne (1875-1949), expressas principalmente em seu "Um Experimento com o Tempo" (An Experiment With Time, 1927), a única das teorias em que Priestley admitiu acreditar. A teoria é de que passado, presente e futuro ocorrem simultaneamente e que a consciência do homem é limitada na forma de percebê-la além do presente. A peça inicia-se no primeiro ato na noite do aniversário de uma das filhas da família Conway em 1919, com o segundo ato avançando no tempo para a mesma noite do ano de 1937 e o terceiro ato retornando para 1919. No otimista primeiro ato são mostradas as ambições e pretensões da família Conway, que no segundo são destruídas com a realidade dos fracassos e frustrações que tomaram suas vidas. No terceiro ato são reveladas alguns fatos e escolhas que anunciam esse futuro lastimável.
  • Estive Aqui Antes (I Have Been Here Before, 1937). Inspirada na teoria do filósofo russo Pyotr Demianovich Ouspensky (1878-1947), particularmente em "Um Novo Modelo do Universo" (A New Model of the Universe, 1931) de eterna recorrência, ou seja, de que eventos e fatos que ocorrem já ocorreram antes várias vezes e voltarão a ocorrer. O negociante workaholic Walter Ormund e sua esposa negligenciada Janet tem sorte de conseguir um quarto em uma pousada, encontrando Oliver Farrant, que se encanta por Janet. O refugiado alemão Dr. Gortler teve uma premonição sobre o triângulo amoroso, que os leva a acreditar que já passaram por aquilo antes e que podem, talvez, mudar as consequências.
  • Johnson Sobre o Jordão (Johnson Over Jordan, 1939). Robert Johnson é um negociante recentemente falecido no limbo. Repassa diversos acontecimentos de sua vida, para alcançar a Pousada do Fim do Mundo ele deve primeiro vencer a burocracia dos Escritórios Centrais da Corporação de Seguro Universal e Empréstimo e Financiamento Globais e as tentações do clube noturno Ponto Quente da Selva.
  • Um Inspetor Chama (An Inspector Calls, 1945). A peça mais bem-sucedida de Priestley, adaptada para o cinema (1954), televisão (1979, 1982), rádio e com a adaptação de Stephen Daldry ainda sendo encenada desde 1992. Em uma noite de 1912, o inspetor Goole questiona a família Birling sobre o suicídio de Eva Smith, uma mulher da ruas. O interrogatório revela que a família é responsável pela morte de Eva, expondo as várias ações -- e omissões -- com as quais a exploraram e abandonaram. O inspetor vai embora, a família investiga e descobre que não há inspetor Goole e nem ocorreu suicídio, e elucubra que talvez Eva nem exista, sendo uma colagem de várias mulheres que cada um prejudicou. Mas a peça termina com a notícia de que ocorreu um suicídio e que um inspetor será enviado à família para interrogatório.

2 comentários:

Laís

Gostaria muito de ler o ensaio dele, O Homem e o Tempo, de 1964, mas não consigo encontrá-lo. Você saberia me informar sobre onde posso baixar? Grata.

Eduardo Capistrano

Olá Laís! Não encontrei cópia disponível para leitura online; há um conjunto da obra dele em inglês, mas em um formato horroroso (https://ia600401.us.archive.org/35/items/TheWorkOfJBPriestley/). Pode tentar adquirir um exemplar: http://www.alibris.com/booksearch?qwork=4135373 e http://www.amazon.com/gp/product/B0007DR9EK .

Comente...